Fale conosco pelo WhatsApp

Entenda a diferença entre investimento, custo e despesa

26 de maio de 2015 | | 2098
Entenda a diferença entre investimento, custo e despesa
(Banco de imagens: Shutterstock)

[vc_row][vc_column][vc_column_text]

No Brasil, dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostram que 48% das empresas que iniciam as atividades, fecham as portas dentro de um período de três anos.

Os primeiros anos de uma empresa são os mais difíceis para a consolidação da atividade e dos clientes, sendo que, segundo o Sebrae, a maioria dessas empresas são de menor porte e enfrentam problemas no planejamento e na gestão financeira.

Segundo o economista , Bruno Vicenzo Teixeira, a atual crise é mais interna do que externa e, portanto, é imprescindível que o empresário saiba que existem canais viáveis para investimento a médio e longo prazo que podem trazer resultados positivos.

Empresas maiores, com uma situação consolidada, podem investir mais em áreas que oferecem um retorno de médio e longo prazo, enquanto empresas de pequeno e médio porte precisam avaliar o risco do investimento e o tempo necessário para o retorno.

O consumo não tende a diminuir neste período, mas o consumidor irá direcionar melhor os seus gastos para itens de necessidades primárias. Um estudo de mercado é interessante para conhecer a elasticidade do seu cliente e o que é essencial para ele, ressaltou Teixeira.

Gestão financeira

Na gestão financeira, responsável por grande parte dos fechamentos de empresa, é necessário que o empreendedor faça a separação de três elementos: investimento, custos e despesas.

Investimentos

O investimento é tudo aquilo que intenciona gerar um retorno ou aumento das vendas, como a aquisição de bens que pode ser feita por meio da compra de máquina, equipamentos, ferramentas (neste caso, é possível incluir ferramentas CRM para relacionamento com o cliente), itens de informática e outros.

Também é considerado investimento o pagamento de empréstimo realizado para capital de giro. Normalmente, quando a situação econômica de uma empresa é considerada regular ela utiliza o lucro gerado pelas suas atividades para financiar o investimento em outros mecanismos que possibilitarão o crescimento nas vendas ou no lucro futuro.

Aqui podemos classificar corretamente os investimentos em marketing, que podem ou não gerar um retorno direto em aumento de vendas.

Alguns investimentos de em marketing podem estar relacionados a branding ou posicionamento da marca, e nas épocas de crise e dependendo da situação de sua marca, podem demorar meses para retornar um aumento de receita significativo.

Outros investimentos em marketing são diretamente relacionados ao aumento de vendas ou geração de mais leads, como investimento em links patrocinados e SEO.

Custos

Os custos estão relacionados aos gastos atrelados a execução da atividade fim da empresa, como a compra de matéria-prima. O custo é o gasto necessário para a realização da produção de determinado produto ou do cumprimento de determinada atividade.

O custo é dividido em custo fixo e custos variáveis (relacionados ao volume da produção) e cada segmento possui um tipo de custo diferente:

  • Comércio: valor gasto na aquisição das mercadorias;
  • Indústria: valor gasto na fabricação, como matérias-primas, insumos, mão-de-obra interna e externa, etc.;
  • Serviços: valor gasto relativo à execução do serviço, compreendendo os materiais, componentes e também a mão-de-obra interna e externa.

Despesas

O gasto com despesas se refere aquele necessário para manter a estrutura administrativa e comercial da empresa, como, por exemplo, aluguel, salários, gastos com telefone, impostos, comissões e outros.

O que cortar para não diminuir suas vendas

Em um período de crise é normal que o empresário queira cortar inicialmente seu investimento e diminuir custos e despesas, ao mesmo tempo em que eleva preços.

No entanto é necessário refletir sobre o impacto dessas escolhas nas vendas. Investimentos relacionados a vendas, como marketing e capacidade produtiva, devem ser os últimos a serem cortados.

O que cortar para não diminuir suas vendasPor exemplo, uma empresa que possui um retorno sobre o investimento em marketing digital, quer dizer que parte das suas vendas tem como origem essa área da empresa.

Se ele optar por cortar os investimentos nesse setor em um período de crise, clientes que realizam suas compras a partir dessa estratégia acabarão por realizar as compras com concorrentes que mantiveram as estratégias.

“Investimento em marketing serve para solidificar sua marca, quanto mais a empresa investir, mais rentável será”, explicou Teixeira.

Este, portanto, seria um corte prejudicial para a empresa, especialmente em um período instável onde é necessário buscar mais proximidade com o consumidor e incentivar mais mecanismos para ser encontrado.

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]