Fale conosco pelo WhatsApp

5 dicas de oratória para médicos

18 de novembro de 2021 | | 0
Médica conversando com pacientes
(Banco de imagens: Shutterstock)

A capacidade de comunicar-se com clareza e de forma assertiva é vital, e faz do médico que domina a arte da oratória referência em sua área de atuação

A boa oratória para médicos é, nos dias de hoje, uma necessidade para os profissionais da medicina.

Em tempos como o nosso, no qual há informação por todos os lados – mas nem sempre de boa qualidade –, o médico precisa ter a capacidade de se fazer entender de forma perfeita pelo paciente e ser reconhecido pela qualidade de seu discurso.

A boa oratória para médicos é uma versão da boa oratória clássica, a qual é necessária não só para o sucesso profissional do indivíduo, mas também para que ele tenha uma vida plena – ou seja, com amigos e relações amorosas satisfatórias e duradouras, por exemplo.

No entanto, antes de falarmos especificamente acerca da boa oratória para médicos, convém definir o que é a oratória.

Em síntese, oratória é a prática de falar, em público ou com alguma pessoa específica, visando convencer, informar ou influenciar, de alguma maneira ou em algum sentido.

A oratória tem um conjunto de normas e procedimentos que objetivam gerar e expor um discurso com eficiência. A boa oratória traz a público as qualidades pessoais do orador.

Mas, e quanto à boa oratória para médicos, quais características ela guarda?

Confiança e empatia: os benefícios gerados pela boa oratória para médicos

A relação médico-paciente é das mais complexas, e uma das que acarretam maiores responsabilidades de parte a parte.

A pessoa tratada é, até certo ponto, corresponsável pelo sucesso do tratamento e pela recuperação da própria saúde.

Caso ela não siga as recomendações que o profissional da medicina lhe passar, em especial nos casos mais graves, a cura, ou ao menos o controle e a estabilização da doença, pode simplesmente não ocorrer.

Mas é aqui que a boa oratória para médicos se mostra especialmente relevante: em muitos casos, não basta ao profissional ser tecnicamente hábil ao detectar quais males de saúde o paciente tem, e qual a melhor maneira de vencê-los; ele deve também ser persuasivo ao falar a respeito.

Lembremos: persuasão é a arte de conseguir aprovação e apoio a uma ideia, um conselho ou um pedido.

Constrói-se a persuasão através do uso de argumentos e com a intenção de que outro indivíduo (o paciente, no caso) adote determinada teoria, crença ou, no caso de tratamentos médicos, linha de conduta.

A boa oratória para médicos se compõe de dois elementos principais.

Vamos conhecê-los?

  • Confiança: é o primeiro sentimento que o médico deve alcançar vindo do paciente. Para tanto, em especial nos primeiros atendimentos, deve o médico relatar ao paciente, ao menos de forma sucinta, sua expertise na área da medicina que trata do problema de saúde do qual tal paciente sofre;
  • Empatia: é o elemento mais subjetivo da relação médico-paciente. Empatia significa colocar-se no lugar do próximo, entendendo assim suas dores e alegrias. É a prática da empatia que faz, por exemplo, com que uma pessoa tímida se abra com o médico sobre seus problemas de saúde.

As 5 dicas de oratória que todo médico deve seguir

A oratória não é um dom; ela é uma capacidade que pode ser adquirida pelo profissional de medicina via estudo e prática. A oratória é uma habilidade construída e, como tal, está ao alcance de todo e qualquer médico.

Para chegar à boa oratória para médicos, eis 5 dicas que costumam trazer resultados positivos:

  1. Escute seu pacienteQuem deseja ser ouvido precisa, para tanto, ter antes a humildade de ser um ouvinte. Deixe que ele lhe conte o que está sentindo e quais são os problemas que afligem seu corpo. Ouça mais do que fale. Isto vale tanto para seu consultório quanto para sua vida;
  2. Se conecteOlhe nos olhos do paciente ao falar. Chame-o pelo nome. Mantenha um tom de voz cordial. Aquela pessoa pode estar passando por algo excepcionalmente difícil (por exemplo, um câncer em estágio avançado). Trate-a com humanidade, para depois tratá-la com a medicina;
  3. Faça-se compreenderDiga e recomende ao seu paciente tudo o que achar necessário, sem exceção – mas o faça com palavras que ele entenda. Não use jargões da profissão. E não use eufemismos. Informe o que tiver de ser informado, porém, tenha a certeza de que tais informações estão chegando ao seu receptor, o paciente;
  4. Construa um relacionamento profissional de longo prazo – Deixe o paciente saber que pode, e deve, procurá-lo sempre que desejar ou necessitar. Faça-o saber que você, médico, está ali para ajudá-lo na doença e para permanecer realizando a manutenção de sua saúde, quando o paciente a recobrar;
  5. Nunca pare de aprenderA medicina é uma atividade em constante evolução. Novos remédios surgem a cada dia, literalmente. Também novas práticas cirúrgicas são constantemente desenvolvidas. Adquirir tais conhecimentos, e transmiti-los ao paciente, se for o caso, são também componentes da boa oratória para médicos.

Tenha certeza: trilhando o caminho descrito acima, você, profissional da medicina, irá agregar ao seu imenso conhecimento do corpo e das dores humanas a fala (ou seja, a oratória) necessárias para dar a seus pacientes todo o auxílio e conforto que tanto necessitam.