Fale conosco pelo WhatsApp

Coworking Médico: Uma nova tendência para os próximos anos!

21 de outubro de 2021 | | 0
Médicos sentados em volta de uma mesa e assistindo uma videoconferência
(Banco de imagens: Shutterstock)

próximos anos!

Eles permitem a prática da medicina com qualidade e a um custo menor

O coworking médico pode ser a melhor solução para que você, profissional da medicina, otimize sua capacidade de atender bem a uma quantidade expressiva de pacientes – e tudo isso gastando menos com a operação diária.

Em síntese, um coworking médico é uma grande estrutura onde estão instalados vários consultórios e, eventualmente, outros espaços necessários à prática da medicina, os quais podem ser usados apenas nos dias e horas em que o médico precisar.

Assim, o profissional não precisa adquirir um imóvel, ou alugar um, para nele instalar seu consultório; ele se utiliza de locais já completamente montados e equipados para a prática da medicina.

Um amplo levantamento feito em 2020 pela consultoria PwC, antiga PricewaterhouseCoopers, sobre a opção pela modalidade de coworking médico, chegou aos seguintes dados:

  • 86% dos profissionais de saúde entrevistados concorda que o coworking médico torna os equipamentos usados no setor mais acessíveis;
  • 83% dos entrevistados acham o coworking médico mais eficiente e conveniente para todas as partes envolvidas;
  • 78% observam que, com o coworking, é possível criar uma comunidade médica forte e coesa no local compartilhado;
  • 76% creem, por fim, que o coworking médico é mais sustentável sob o ponto de vista ambiental.

A expectativa deste levantamento da PwC é de que, até 2025, esse mercado irá movimentar perto de US$ 335 bilhões ao ano.

Coworking médico: modelos de operação

Há diversos tipos de coworking médico, com diferentes propostas e práticas. Mas, de forma geral, pode-se destacar dois modelos pelos quais opera o negócio sob a ótica do pagamento pelos serviços:

  1. O mais comum é o modelo no qual cada médico paga uma taxa fixa mensal, relativamente baixa, para fazer parte, de forma permanente, do grupo de profissionais que usa o espaço.

Além disso, o médico também paga um valor, variável e a ser combinado, apenas pelo tempo que ocupa o coworking e/ou pelos recursos do local que são utilizados;

  1. O segundo modelo é ainda mais simples. Trata-se de um pay-per-use, ou seja, o médico paga apenas e tão somente a quantidade de horas que usar o local. Esse tipo de coworking médico, vale observar, é menos comum do que o primeiro.

Não são só consultórios

Embora o principal atrativo desse espaço seja o oferecimento de um local onde o profissional pode conversar presencialmente e examinar seus pacientes, esse tipo de negócio oferece outros benefícios.

Nada impede, por exemplo, que existam salas no local onde funcionem máquinas avançadas para o diagnóstico e até para o tratamento de enfermidades. O coworking, nesses casos, caracteriza-se como um fornecedor também de serviços ambulatoriais, além de consultórios.

O lugar pode contar ainda com salas de espera, cafeterias e até restaurantes, onde os pacientes aguardam o momento de sua consulta. Brinquedotecas para crianças também fazem parte da lista, e são especialmente úteis em coworkings médicos que abriguem consultórios de pediatria.

Como escolher o melhor coworking médico para seu perfil

Há diversos fatores a serem levados em conta para o médico que opta por atender em coworkings. O momento no qual o profissional se encontra em sua carreira é, talvez, o mais relevante deles.

Se você for um médico jovem, recém-formado, é mais indicado que escolha coworkings menores e com menos equipamentos. Afinal, você ainda está começando sua carreira e possivelmente não tenha tantos pacientes que justifiquem uma quantidade elevada de horas utilizadas.

Profissionais já estabelecidos, por outro lado, devem optar por coworkings com salas maiores e mais estrutura, pois a demanda por seus serviços já deverá justificar tal investimento. Também devem escolher instalações que tenham serviços ambulatoriais, em especial para exames.

Além dessas variáveis, há outros fatores a serem levados em conta na hora de se escolher um coworking médico. Resumidamente, são os seguintes:

  • Localização – É bastante positivo que seu coworking médico esteja em local de fácil acesso. Se estiver próximo a uma estação de metrô, por exemplo, isso será ainda melhor;
  • Normas reguladoras – Vale ter em mente que um coworking médico é um ambiente de uso coletivo e, como tal, precisa ter regras que organizem a vida ali. Verifique isso antes de vincular-se a algum deles;
  • Infraestrutura – É importante frisar que um coworking médico não precisa conter apenas consultórios. Ele será o local de trabalho de cada profissional, portanto, pode e deve oferecer mais do que isso. Tudo depende das necessidades específicas que cada contratante do coworking tem.

O primeiro coworking médico a surgir no Brasil abriu suas portas em 2007. De lá para cá, este modelo de negócios só cresceu – e tudo indica que seguirá assim nos próximos anos e décadas.