Fale conosco pelo WhatsApp

Celular é o principal meio de acesso à internet nos lares

7 de abril de 2016 | | 1170
usuários no celular
(Banco de imagens: Shutterstock)

Sabe aquela imagem típica quando falamos de acessos a multi-telas, cada um no seu dispositivo? O IBGE divulgou uma pesquisa onde o celular tornou-se oficialmente o principal dispositivo utilizado para acesso a internet nas residências brasileiras.

Consumidor multi-tela

Em 80,4% dos lares, o acesso é feito por dispositivo móvel, conforme mostra a pesquisa, valores em %: Além da média de acesso à internet em celulares em casas ter ultrapassado o uso de computadores, é interessante observar a diferente utilização por região no Brasil: Um comportamento bem interessante a considerar é a preferência pela utilização a celulares do que computadores nas regiões Norte e Nordeste, é o tipo de informação que pode levar a uma mudança estratégica no direcionamento de uma campanha de marketing regional.

Em 2014, mais da metade da população usou a internet pelo menos uma vez, foram cerca de 95,4 milhões de pessoas que se conectaram.

 

Dados interessantes da pesquisa

Em 2014, pela primeira vez, mais da metade (52,5%) da população rural com 10 anos ou mais de idade tinha celular. Nas áreas urbanas, esse percentual chegou a 82,3%. O maior percentual de domicílios com acesso à Internet era entre aqueles acima de 5 salários mínimos (88,9%) e o menor (25,3%) era entre os domicílios com rendimento inferior a ¼ do salário mínimo. Dos 36,8 milhões de domicílios com acesso à Internet, 0,8% possuíam só a conexão discada e 99,2%, a conexão em banda larga. Os grupos mais jovens tinham os maiores percentuais de utilização da Internet, com predomínio no grupo de 15 a 17 anos (81,8%) de idade. Em 2014, entre os estudantes da rede pública, 73,3% (19,9 milhões) utilizavam a Internet. Na rede privada, 97,2% deles (9,1 milhões) utilizavam a Internet. 11,1 milhões de domicílios do país tinham tablet em 2014 77,9% da população com 10 anos ou mais de idade tinham celular em 2014.
Fonte: site do IBGE